carregando

Digite para pesquisar

Já imaginou viver sem água?

 

 

Estiagem e alto consumo prejudicam abastecimento no Paraná

A água é um bem necessário para todo mundo. Seja para nutrir o corpo – composto de 75% de água –, seja para cozinhar, para manter a higiene, entre outras tantas necessidades. Mas, nos últimos três meses, o Rio Iguaçu que é o maior rio do Estado e principal meio de abastecimento dos paranaenses registrou menos de 10% do nível da água. Em tempos de chuvas regulares o nível ideal seria entre 2,7 e 3 metros, mas, segundo dados da Companhia Paranaense de Energia – Copel e do Sistema de Tecnologia e Monitoramento Ambiental do Paraná – Simepar, o rio apresentou apenas 1,29 metros de água.

Essa situação fez com que esses órgãos, junto da Companhia de Saneamento do Paraná – Sanepar, tomassem medidas de racionamento de água com rodízio entre as cidades para tentar driblar a falta e manter o devido abastecimento para a população.

Crise Hídrica

Em 2006 e 2018, o Paraná também passou por uma grande estiagem, quando as chuvas diminuíram muito e trouxe um estado de emergência. Porém, a Copel afirma que a situação atual é mais grave do que os episódios anteriores. Segundo dados da Simepar, a falta de chuva afeta diretamente todas as regiões do Estado, principalmente o Sul.

O Paraná teve situação de emergência hídrica decretada no início do mês de maio. A Sanepar constatou, também, o aumento no consumo das pessoas. Com as temperaturas elevadas no fim do verão e com o distanciameto social, foi registrada uma alta significativa, o que implica, ainda mais, o abastecimento. Além disso, a produção de energia elétrica também é diretamente afetada por causa da estiagem.

A Sanepar está divulgando cronogramas de bairros que passam por rodízio, a ação foi iniciada atendendo decreto de emergência hídrica no Estado

O rodízio anunciado atinge Curitiba, Almirante Tamandaré, São José dos Pinhais, Fazenda Rio Grande, Araucária, Campina Grande do Sul, Colombo, Pinhais, Campo Largo, Piraquara e Tijucas do Sul

Algumas medidas precisam ser tomadas para que você não fique sem água, além de evitar que o problema se agrave cada vez mais. O consumo consciente pode salvar vidas.

Dicas de como economizar água

  • Diminua o tempo no banho

Cinco minutos de chuveiro consomem 70 litros de água.  Ao passar shampoo e condicionador no cabelo, nesse período, desligue o chuveiro e reabra quando for enxaguar.

  • Feche a torneira

Ao lavar a louça e ao escovar os dentes,mantenha a torneira fechada para evitar o desperdício. Pode não parecer, mas a economia pode chegar a 12 litros nas casas e 80 litros em apartamentos. O mau fechamento também é um dos motivos de alto desperdício. Fique atento!

  • Cuidado ao usar mangueiras

Evite lavar calçadas e carros. O volume de água, ao manter a mangueira ligada, é muito alto.

  • Fique atento à caixa d’água

Mantenha a sua caixa fechada para evitar a evaporação, além de entrada de sujeiras que podem afetar o seu consumo. Junto do uso moderado, a durabilidade da água será por mais tempo.

  • Aposte na reutilização

A água que sai da máquina de lavar ou a do banho pode ser reutilizada nos vasos sanitários e em calçadas, por exemplo.

O consumo consciente é responsabilidade social de todos.

A água é um bem necessário para a vida de cada um.

Faça a diferença, compartilhe essa ideia com todos e economize!

Notícias do Santa Mônica